27 de abr de 2014

MODELOS TEÓRICOS DE MUSICOTERAPIA



No IX Congresso Mundial de Musicoterapia realizado em 1999 em Washington, EUA, foi reconhecido pela comunidade de musicoterapeutas de todo o mundo, cinco modelos teóricos.

* Modelo Nordoff Robbins (improvisação criativa), orientação na psicologia humanista, desenvolvida pelo músico Paul Nordoff e o educador Clive Robbins, 1960, nos EUA e Inglaterra;
* Modelo GIM (imagens guiadas e música), orientação na psicologia humanista, criado pela musicista Helen Bonny, 1960, nos EUA;
* Modelo de Musicoterapia Analítica, sistematizado por Mary Priestley, 1960, na Inglaterra;
* Modelo Benenzon, fundamentado na psicanálise, psiquiatra Dr. Rolando Benenzon, 1960;
* Modelo de Musicoterapia Behaviorista, sistematizado por Clifford Madsen, 1970, nos EUA.


O Modelo Nordoff Robbins foi constituída, nos anos 1976-1977. Musicoterapia Criativa e de improvisação, é o modelo de improvisação musical que estabelece entre o paciente e o terapeuta com vários instrumentos ou o cantar de uma música, para pacientes com condições neurológicas e nas funções vitais . A terapia criativa é um evento interpessoal que leva em conta não apenas o tipo de paciente tratado, mas também a personalidade do terapeuta, fazendo uma improvisação "bilateral", que inclui tanto o paciente quanto o terapeuta.

O Modelo GIM iniciou nos anos 70, por Bonny Helen Em 1972, o mesmo fundou o " Instituto de Consciusness e Música ", começando formar terapeutas de música para trabalhar com este modelo. Os mesmos trabalha principalmente com: a capacidade de provocar tanto a sinestesia musical como "estados alterados de consciência " ou "uso da música para alcançar níveis extraordinários de consciência humana ".

O Modelo Analítico de Musicoterapia, Mary Priestley, é considerada a fundadora  em 1975. A Musicoterapia Analítica tem o uso analítico e simbólico da música através da improvisação pelo musicoterapeuta e paciente. Ele é usado como uma ferramenta criativa com que o paciente explora sua própria vida, ao mesmo tempo que fornece os meios para crescer e aumentar a sua auto- conhecimento.

O Modelo Benenzon foi criado em 1965, considera objetivo fundamental produzir estados regressivos e aberturas de canal a estes níveis em pacientes, realizadas pelos novos canais de comunicação, o processo de recuperação. Estendendo-se de fontes de emissão de som, a natureza, o corpo humano, instrumentos musicais, eletrônica, meio ambiente , o caminho das vibrações acústicas com as suas leis , os órgãos receptores desses sons , compreendendo impressão e a percepção no sistema nervoso e todas as implicações biológicas e psicológicas para o desenvolvimento da resposta que contém o complexo uma vez que é uma fonte de encorajamento.


O Modelo Beheviorista, formado em 1975, Clifford Madsen é considerado o fundador, o modelo sustenta que a música por si só é um operador condicionado reforço ao comportamento alterado. O impacto da experiência musical é observável e mensurável, pela relação de causa/efeito entre a música e o comportamento. A musicoterapia, neste modelo deve usar a análise comportamental e propor programas de tratamento individualizado para atender as necessidades das pessoas.






4 comentários: